Home / Brasil / C.Vale – Energia solar move negócios no campo

C.Vale – Energia solar move negócios no campo

Foto: Imprensa C.Vale

Produtores de frango investem em placas fotovoltaicas para redução custos.

Em tempos de estiagem, quando a água dos reservatórios das usinas hidrelétricas se torna escassa e o custo da energia elétrica dispara, o aproveitamento da luz solar ganha força como alternativa para reduzir o peso deste insumo sobre a produção agropecuária. Atividades que demandam alto consumo de energia elétrica estão impulsionando o mercado de placas fotovoltaicas e reduzindo o custo extra da bandeira vermelha nas contas de luz. Entre os produtores de frango da C.Vale, 22% já instalaram equipamentos para captar energia solar e estão vendo o investimento se pagar em tempo bem inferior ao prazo dos financiamentos.

Em Palotina (PR), o associado Juraci de Araújo instalou 504 placas para gerar energia aos três aviários que abrigam 76 mil frangos. A conta mensal de energia de, aproximadamente, R$ 8 mil foi praticamente zerada. “É um investimento que compensa, se paga em pouco mais de seis anos”, calcula o produtor. O benefício vai além da economia já que a tensão da energia ficou mais estável. Ele também instalou outras 400 placas para gerar energia aos aeradores que usa nos 21 mil metros de lâmina d’água onde cria tilápias. Com esse conjunto, a propriedade se tornou autossuficiente e ainda gera créditos em energia que são abatidos da conta do hotel que pertence à família do sogro de Araújo.

Juraci Araújo (boné) e veterinário Carlos Sestari: placas fornecem energia para aviários e piscicultura

Os três conjuntos de células fotovoltaicas foram instaladas no chão por uma opção do integrado. “Fica mais fácil ‘pra’ ajustar à posição do sol e para fazer a manutenção. Os técnicos não precisam entrar na granja”, justifica Araújo. Ele conta que a escolha de placas de fabricação nacional foi motivada pela maior facilidade de substituição que as importadas. A miniusina pode ser monitorada por aplicativo de celular. Para Juraci Araújo, o sistema de geração de energia solar passou a ser um insumo do agronegócio. “Hoje é uma necessidade, um kit que você tem que incluir se vai investir na avicultura ou piscicultura”, interpreta.

FAMÍLIA SANGALLI

Na propriedade de 17 hectares de Elza e Enor Sangalli, localidade de Esquina Progresso, Palotina, o frango é a principal fonte de receita. Os dois aviários em que o casal e o filho Leandro criam 55 mil aves, a conta de luz variava de R$ 4 mil a R$ 7 mil por mês. Mesmo com o valor elevado, Elza tinha receio de contrair dívida para instalar placas de energia solar já que tem também parcelas do segundo aviário. Depois de muito cálculos junto com o filho, decidiu tomar um empréstimo bancário com juros de 9% ao ano e prazo de dez anos para pagar. A um custo de R$ 350 mil, colocou 180 placas em frente aos aviários. Nos dois meses seguintes as contas caíram para R$ 200,00 e R$ 150,00. “No começo eu tinha medo de fazer a dívida, mas agora a gente vê que vale a pena. É um custo que se paga com a renda do aviário”, diz ela, revelando que o valor das parcelas cai a partir do segundo pagamento.

As placas solares puxaram para baixo as despesas com a produção de frango, que no sistema convencional representa 24% dos custos da atividade. Com isso, os Sangalli já começam a fazer planos de construir um terceiro aviário na propriedade.

Elza Sangalli baixou conta de energia para R$ 200,00 com as 180 placas solares

RAIO X

JURACI DE ARAÚJO

Três aviários

76 mil frangos

125 mil tilápias

904 placas solares

Investimento: R$ 1,2 milhão

RAIO X

ELZA SANGALLI

Dois aviários

55 mil frangos

180 placas

Investimento: R$ 350 mil

Energia elétrica produzida pelos integrados avícolas da C.Vale é capaz de abastecer cidade de 16 mil habitantes

Fonte: Imprensa C.Vale / Renan Tadeu Pereira – Assessoria de Imprensa

Veja Também

Goiás – Jovem se queima após explodir experimento de química

Jovem está internada na UTI em estado grave e respira com ajuda de aparelhos, segundo ...