Home / Brasil / C.Vale – Dia da Mulher; Uma banda ambulante. Nina toca desde violão, teclado, bateria até instrumentos de sopro
Clique e Saiba mais

C.Vale – Dia da Mulher; Uma banda ambulante. Nina toca desde violão, teclado, bateria até instrumentos de sopro

Nina (Gleyzielem de Jesus) e sua banda particular / Foto: ninainstrumentos

“Nina de Jesus”. Esse é o nome abençoado da artista eclética Gleyzielem Cristina de Jesus. Instrumento musical foi paixão de maternidade. A mãe, dona Leonildes tocava trombone na igreja. Hoje com 26 anos, a assistente administrativo do Industrializados da C.Vale tem uma banda particular. Ela toca violão, repique, guitarra, teclado, contrabaixo, bateria, prato, bumbo, sino, saxofone, clarinete, flauta e trombone. Detalhe: todos estão ao alcance de seus dedos ecléticos.

Natural de Juara, em Mato Grosso, se mudou há 12 anos para o Paraná. Praticamente todo esse período morou em Iporã. O deslocamento diário para trabalhar no frigorífico motivou a ficar mais perto e há dois meses está morando em Palotina. Contratada há três anos pela C.Vale, sonha em fazer carreira na cooperativa. “Esse ano vou começar a cursar Engenharia de Produção. O meu trabalho é minha outra paixão. Amo o que faço”, revela.

O planejamento faz parte da rotina de Nina. Além dos estudos, pretende comprar uma casa e fazer parte de uma banda sertaneja. “A vida inteira toquei em bandas da igreja e municipal. Quero agora colocar em prática esse novo hobby”, projeta. Sua identidade musical, pende para o gospel e o sertanejo universitário.  Hillsong, Aline Barros, Gusttavo Lima e Simone e Simara fazem parte da sua playlist de louvor e gingado.

Aperfeiçoando dons

A musicalização entrou na vida de Nina aos 5 anos quando começou a tocar com a mãe na igreja. Por sete anos frequentou aulas de partitura. O primeiro instrumento foi um violão que ganhou do avô. O gosto e a curiosidade ampliaram seus horizontes musicais.  “Deus me deu o dom e tenho trabalhado para aperfeiçoá-lo”, enfatiza a tímida Nina. Isso mesmo, ela se considera muito tímida.  O palco é seu refúgio. Nele se transforma. “A música, o placo são meu divã. Neles curo todas as minhas feridas”.  

Além de integrar bandas, foi professora particular e formou um coral com 50 flautistas em Iporã. Em dezembro de 2020, Nina liderou um grupo de artistas e montou a Banda do Indav. Eles se apresentaram durante a Semana da Sipat. Com foco na prevenção de acidentes, parodiaram várias músicas reforçando a importância do trabalho seguro. “O lúdico chamou atenção e ajudou na conscientização sobre acidentes de trabalho”, enfatiza.

Outro hobby da instrumentista é a revista Você C.Vale. Desde que entrou na cooperativa em dezembro de 2017, passou a colecionar os exemplares. As seções que mais chamam sua atenção são unidade em foco, receita e talento. “As histórias das pessoas nos ensinam muito.  Gosto de ler e ver como fazem para prosperar”.

Fonte: Imprensa C.Vale

Veja Também

Brasil – Presidente e ex-presidentes do TSE dizem que voto impresso é ‘volta às fraudes’

Foto: Agência Brasil