Home / Comportamento / Tribo desenterra, arruma e presenteia os mortos em festival tradicional; veja

Tribo desenterra, arruma e presenteia os mortos em festival tradicional; veja

Província da Indonésia, mantém um relacionamento diferente com os mortos / Foto: reprodução/Twitter

A população de um vilarejo nas montanhas de South Sulawesi, província da Indonésia, mantém um relacionamento diferente com os mortos. Sob a ótica da cultura ocidental, a tradição se destaca pela singularidade, já que, uma vez por ano, durante um tradicional festival, as pessoas desenterram seus entes queridos e cuidam de seus corpos.

Além de lidarem com a morte de forma muito próxima – afinal, muitas vezes, os corpos mumificados de seus parentes passam anos em casa, antes de serem enterrados -, as pessoas da tribo Torajan, na Indonésia , também dedicam um dia do ano para exumar e cuidar dos corpos: colocando roupas novas, penteando seus cabelos, dando presentes e fazendo homenagens em um desfile.

“Esta é a nossa forma de homenagear os mortos. É um momento de alegria para todos porque nos reunimos com nossa família que já faleceu”, explicou um dos moradores do vilarejo, de acordo com informações do portal britânico Daily Mail . Além disso, honrar estas pessoas é uma forma de conseguir “bênçãos para uma boa colheita”, complementou.

A tribo Torajan 
De acordo com a National Geographic , a história da tribo Torajan ainda mantém muitos detalhes escondidos, já que eles só desenvolveram linguagem escrita no começo do século 20. Assim, para descobrir a origem desta tradição, especialistas usaram fragmentos de caixões de madeira para buscar tais informações – e por meio de datação de carbono, descobriram que a prática pode existir desde 800 d.C .

Os falecidos da tribo só podem ser considerados mortos depois de seu funeral, que são grandiosas celebrações e podem durar muitos dias. Até este momento, os corpos são colocados em uma solução de formol e mantidos em um cômodo de suas casas, tratados como se a pessoa ainda estivesse viva.

Hoje, as práticas tribais são misturadas com alguns rituais cristãos. Levados à Indonésia por exploradores holandeses, em meados de 1500, tais práticas criaram um enclave no país, que concentra a maior população islâmica do mundo.

Fonte: IG Notícias

Veja Também

Toledo – Morre Moacir Hanzen, sócio proprietário e diretor geral da Rede Costa Oeste, aos 56 anos

Foto: Divulgação