Home / Brasil / Jaques Wagner diz que Processo de impeachment contra Presidente “caiu por terra”

Jaques Wagner diz que Processo de impeachment contra Presidente “caiu por terra”

b9uvtfieqzivxzhjkop4x9xpr
Jaques Wagner era ministro da Casa Civil até a nomeação de Lula para o cargo / Foto: Divulgação/ Jonas Pereira/ Agência Senado – 16/06/15

O ministro do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Jaques Wagner, afirmou ontem quarta-feira (6) que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff “caiu por terra”. O ministro fez as declarações ao comentar sobre a tese de convocação de novas eleições, após participar da entrega do navio Doca Multipropósito Bahia, em Salvador, evento que contou com a presença da presidente Dilma Rousseff, que não falou com a imprensa.

“Olho a proposta mais como uma tentativa daqueles que querem uma repactuação nacional, que definitivamente este processo (de impeachment) caiu por terra, não representa a legalidade. Ele na verdade aprofunda a crise”, avaliou.

Ainda sobre o impedimento, Wagner disse que a intenção do governo no momento é “ultrapassá-lo”. “Nosso trabalho é ultrapassar este processo, que na minha opinião já está com uma consistência grande”, afirmou.

O ministro acrescentou que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello mostra que o processo de impeachment da presidente “está fragilizando a democracia brasileira”. Nesta terça-feira, Marco Aurélio concedeu liminar determinando que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acate também o pedido de impeachment do vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP), com o argumento de que ele deveria se ater aos aspectos formais e não sobre o mérito.

“Foi uma decisão de ministro e, como se diz, decisão de ministro do Supremo a gente deve cumprir até o recurso”, disse Wagner. “Isso só mostra que o pedido de impeachment está fragilizando a democracia brasileira. Essa insistência das oposições de, há 15 meses, procurar coisa para impeachment sem causa é muito ruim”, completou.

Com relação à tese de eleições gerais, o ministro a classificou como “uma coisa menos agressiva” que um impeachment, mas a iniciativa teria que partir da própria presidente da República. “É uma coisa bem menos agressiva, mas a mim parece que tem que partir dela. E não estamos nem cogitando. Quem tem que topar é a presidente, porque o mandato de quatro anos que foi conferido a ela é dela”, rebateu.

Na terça-feira, a proposta ganhou fôlego com a defesa pública feita pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Dias antes, foi a vez do presidente nacional da legenda, senador Valdir Raupp (RR), que disse ser favorável à realização de eleições gerais neste ano para presidente, governadores e parlamentares, recebendo críticas de membros do PSDB e DEM.

banner para topo da materia em png-800x126

Fonte: Estadão Conteúdo

Veja Também

Argentina – Antigo réptil voador “Dragão da Morte” é descoberto

A nova espécie de réptil voador antigo, ou pterossauro, media cerca de 9 metros de ...